Entrevista com o líder: Antônio de Pádua, Gestor de Operações da Rede Cearense de Supermercados

Antônio de Pádua Bracioli, premiado nacionalmente pela Associação Brasileira de Recursos Humanos e Top Marketing, iniciou sua trajetória profissional no Grupo Pão de Açúcar (GPA). Iniciou como estagiário no departamento de recrutamento e seleção e também atuou em diversos cargos. 

No Extra Hipermercados, fez carreira no setor e chegou à gerência nacional de recursos humanos. Foram 11 anos de grande aprendizado, participou de ações incríveis no Grupo Pão de Açúcar e nas lojas Sandiz, uma espécie de C&A.

Participou das implantações das lojas Minibox, que são lojas de hard discount instaladas nas periferias no Estado de São Paulo. Também participou das implantações do Peg & Faça, lojas de bricolage, um tipo de Leroy Merlin, com metragens menores. Atuou também em  implantações de muitos formatos de lojas, de hipermercados a minimercados no GPA e foi integrante da primeira equipe de estruturação do Extra Hipermercados. 

Posteriormente, passou nove anos no Cândia Hipermercados, considerado um case sensacional do varejo das Américas. Durante oito anos seguidos teve o maior faturamento por metro quadrado, por funcionário e por check out da América Latina. No Cândia, ganhou diversos prêmios nacionais com seus cases, estilo arrojado de gerir e fazer acontecer. 

Ainda no Cândia Hipermercados, participou do desenvolvimento da primeira Universidade Varejista do Brasil. Na época, recebiam muitas delegações do Brasil, para ver o formato inovador. Em 1999 aceitou uma proposta da Rede Pague Menos e chegou ao Ceará, onde foi diretor de operações, desenvolveu muitas lojas e aprendeu muito sobre varejo Farma e muito sobre o Nordeste. 

Por volta de 2004 fundou a MB&A Estratégia Varejista, onde ocupa o cargo de sócio diretor e divide com seu sócio, Tiller Marinho, a gestão. Com a MB&A, fizeram mais de 680 modernizações em lojas varejistas dos mais variados formatos e segmentações, de Pet Shop a Hipermercados, de home Center a Minimercados, especialistas em operações de lojas, possuem parceria forte com o Sebrae, instituto macro, onde projetaram as lojas conceitos das feiras dos empreendedores do Sebrae, atuam na gestão da loja conceito da faculdade CDL em Fortaleza, localizado no estado do Ceará, um projeto inovador focado no varejo 4.0.

RRC: Qual a sua opinião sobre as Redes e Centrais de negócios?

Antonio Pádua: As centrais de negócio são antigas no mundo, as primeiras ainda com o título de centrais de compras começaram a crescer a partir de 1923 nos Estados Unidos e França, foram evoluindo e fortaleceram-se após a segunda guerra mundial.

Muitas centrais de negócios são famosas no mundo, o Intermarché, localizado na França, com mais de seis mil associados e a Spar, também com mais de seis mil associados. Estas centrais são tremendamente evoluídas, com bancos, universidades e um sistema de associativismo exemplar. O foco é tremendamente voltado para a formação do associado. Um novo associado por exemplo, passa dois anos em treinamento para adentrar corretamente a uma destas Redes mencionadas.

No Brasil aconteceu uma evolução muito grande, muitas Redes exemplares no Nordeste e notadamente no Ceará, temos fenômenos de vendas. Das quatro maiores Redes do Nordeste, o Ceará possui três potências, a Rede Uniforça, a Rede Parceria, e a Rede Cearense de Supermercados.

No caso da Rede Cearense, a caçula das Redes, o trabalho interno é muito focado no desenvolvimento do associado. Temos uma inspiração nos movimentos de estrutura, pessoas e processos.

As centrais de compras estão evoluindo para centrais de negócios e devem virar centrais de marketing, nas quais o papel do fornecedor será fundamental.

Profissionalizar associados, processos, gestores e técnicos de supermercados como açougueiros, padeiros, especialistas em frutas, operadores de caixa e repositores será de vital importância para o sucesso das centrais de negócios.

As relações com fornecedores serão diferenciais competitivos e a forma de fazer negócios está mudando muito nos últimos anos.

Na Rede Cearense de Supermercados temos uma visão bem clara deste futuro.

RRC: Sobre a Academia de performance, qual o segredo desta estratégia?

Antonio Pádua: Trabalho duro, quase jesuítico! Levamos uma mensagem e uma metodologia diferenciadas, expressas através do método “SHI REN” de nossa autoria e editada em livro, SHI REN vem do chinês e significa confiança mútua, propósitos e engajamento. Fundimos seis grandes métodos e recriamos um método prático, rápido e muito eficaz.  Então na Rede Cearense a Academia de Performance, funciona sintonizada na estratégia.   

01 - Trabalhamos de acordo com a visão estratégica desenhada para 2020.

02 - Focamos as necessidades juntamente com os associados.

03 - Ouvimos os líderes das lojas.

04 – Desenhamos projetos sobre medidas para a rede e para as lojas individualmente.

05 - Todas as sextas feiras trazemos os líderes de recursos humanos, marketing e lojas para módulos estratégicos de formação.

06 - Na primeira semana de cada mês, às terças feiras, trazemos os compradores para alinhamento de cultura e foco nos volumes, rupturas e curvatura de vendas.

07 - Temos três lojas em processo de adaptação para serem lojas formadoras de perecíveis, ou seja, lojas exemplares nas operações dos setores de perecíveis.

08 - Temos processos fortemente desenvolvidos para campanhas de vendas.

09 - Temos grupos de trabalho específicos sobre assuntos estratégicos.

10 - Fazemos via MB&A consultorias nas lojas que buscam melhorias operacionais.

Temos um forte trabalho no marketing da Rede Cearense, estes trabalhos internos são desenvolvidos com a diretoria comercial Sra. Girlania Saraiva, nos quais focamos crescimento de imagem institucional, vendas da Rede, relacionamento com fornecedores, entre outras táticas.

Uma delas é bem interessante: mensalmente convidamos diretores e gerentes das distribuidoras ou mesmo das indústrias para tratarmos de futuro. Nestas reuniões não compramos, mas trabalhamos as visões da Rede e do parceiro sobre o futuro que podemos construir.

Este é um grande exemplo de evolução de central de compras ou negócios para uma central de marketing, ou seja, estamos juntos para vender mais, fornecedores parceiros, A matriz da Rede Cearense e suas lojas associadas.

Aquelas reuniões difíceis do passado não existem na Rede Cearense, aqui fazemos negócios visualizando o futuro.

RRC: Como você enxerga o varejo de alimentos no Ceará?

Antonio Pádua: O Ceará é tremendamente desenvolvido em vários formatos de lojas, segue bem as tendências, temos grandes lojas de Redes próprias e Redes de associados. Muitos varejistas de outros estados do Norte e Nordeste, e mesmo do Sudeste, costumam vir ver lojas de Supermercados daqui. A periferia tem lojas muito boas, de grande circulação de clientes e boas margens.

No interior estamos modernizando muitas lojas, muitas reformas, lojas novas e novos formatos como “ATACAREJOS” por exemplo.

O varejista cearense gosta de aprender e no interior percebemos uma atenção muito grande por parte do operador de loja, temos formado muitas equipes boas interior a fora.

RRC: E o futuro do varejo, como você observa?

Antonio Pádua: Ah, este é o desafio!

Com o avança do varejo 4.0 (tecnologia, mais serviços e atendimento) a reciclagem das lojas será muito mais rápida, no passado demorávamos uma semana para dotar um repositor de seus atributos pois isso era feito de forma presencial, agora podemos fazer em um dia, utilizando as mídias sociais, inteligência artificial e ensino à distância, com isto os departamentos de recursos humanos das lojas, deverão ser reciclados rapidamente. Novas formas de fazer vendas, de fazer relacionamento e de fazer operação de lojas ganharão incrementos fortíssimos através da tecnologia.

Vender à distância, atender fortemente, conhecer os hábitos dos clientes, o que compra, como compra e porque compra deverão ser os condutores de cada loja, seja aqui na capital ou no interior do estado. O futuro está aí, ou mudamos nossa forma ou ele mudará a nossa forma, esta é a decisão.

RRC: Como você visualiza o futuro da Rede Cearense de Supermercados?

Antonio Pádua: Os gestores da Rede Cearense de Supermercados pensam diferente, portanto fazem diferente. Temos foco, garra e somos integrados. Queremos crescer, temos desafios grandes, planejadamente podemos fazer melhor. Temos nossas metas para os próximos dois anos e vamos cumpri-las.

Antonio de Pádua Bracioli 

psicólogo, mentor e coach

sócio diretor da MBA estratégia varejista

gestor de operações da Rede Cearense de Supermercados